Campo Grande (MS) – Monitoramento realizado pelo Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (Imasul) nos rios do Estado permitiu que a Defesa Civil emitisse alerta no final da tarde e início da noite dessa terça-feira (28.11) para a retirada imediata da população ribeirinha que mora próximo às margens do rio Taquari, na região norte do Estado. O rio transbordou no fim da tarde de ontem após subir 80 cm em pouco menos de 12h.

Um Aviso de Evento Crítico foi emitido pela Sala de Situação do Imasul, às 18h30, comunicando a Defesa Civil que as leituras dos níveis do rio Taquari emitidas da Plataforma de Coleta de Dados (PCD), em Coxim, indicavam que já havia sido atingido o nível de emergência do rio, “com potencial para provocar significativos danos materiais e com risco à integridade humana nas próximas 24 horas”.

Segundo o monitoramento realizado pelo Imasul, às 7h, de segunda-feira (27.11), o nível do rio Taquari estava em 411 cm. Vinte e quatro horas depois, às 7h, dessa terça-feira (28.11), as águas já haviam subido 11 cm, atingindo a marca de 422 cm. Já às 18h30 o rio marcava o nível de 502 cm, com elevação de 80 cm em 11h30, continuando em ascensão.

Com a rápida subida do rio Taquari, casas e instalações lindeiras ao curso hídrico já começaram a ser invadidas pela água. Imediatamente, a Gerência de Recursos Hídricos do Imasul acionou a Defesa Civil para que fosse orientada a retirada da população ribeirinha.

“Esse monitoramento dos rios do Estado que realizamos no Imasul nos permite agir de forma preventiva, proporcionando maior segurança à população das regiões ribeirinhas”, lembra o secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck.

O titular da pasta lembra que, atualmente, o Governo do Estado “dispõe de instrumentos importantíssimos que nos permitem essa prevenção, orientando a Defesa Civil, os municípios, os ribeirinhos e os produtores rurais”. O primeiro, no âmbito do Imasul, é a Sala de Situação, que realiza diariamente o monitoramento online dos rios do Estado. O segundo, é o Centro de Monitoramento de Tempo, do Clima e dos Recursos Hídricos de Mato Grosso do Sul (Cemtec), ligado à Superintendência de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia, Produção e Agricultura Familiar da Semagro.

“Agora, juntando a informação relativa ao nível dos rios com a questão da avaliação meteorológica que é feita pelo Cemtec, nós temos dois instrumentos importantes que vão ajudar, inclusive, a salvar vidas em Mato Grosso do Sul. Nos permitindo, principalmente, realizar ações preventivas, podendo retirar ribeirinhos, comunicar produtores rurais com relação à inundação, no caso do Pantanal, até mesmo facilitar a movimentação e retirada de gado”, finaliza o secretário.

Texto e foto: Marcelo Armôa – Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar